sexta-feira, 4 de março de 2011

A Ponte

Eu acredito nessa pena branca que voa entre os teus dedos.
Porque é teu o poder que me transfoma em tudo que eu nunca vi.
Eu voo distante nestes teus braços longos.
E me envolvo nessa energia que me conduz...
Sou só tua ponte.
Deixa-me ser apenas isso.
A mim basta que seja o fio que liga-te aos outros pequeninos como eu.

Nasci madura daquilo que nunca conheci,
Daquilo que tu um dia me disse: Toma, é só teu.
Amo-te sem nunca ter te visto.
Amo-te porque além da minha crença tu me deste o privilégio de navegar por muitos rios.
Amo-te pelo propósito que me incumbiste.

Eu quero continuar sendo a ponte.
A ponte que um dia tu me mostraste.
Eu quero poder ajudar os outros pequeninos também.
Aqueles todos que foram esquecidos.
Aqueles que um dia tu me mostraste.

Um comentário:

Cássio disse...

Belo texto.
Eu dou umas viajadas em algumas combinações de palavras que você faz, gosto do seu estilo.
Bom trabalho, keep it up!