sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Canção a céu aberto

Felizes mesmo são os pássaros.
Só eles sabem da leveza das penas planas sobre o mar de ventania.
Apenas eles se deitam sobre o chão que não existe.
E se guiam pelas estradas que não se vê.
Não há chegada e nem partida, apenas o caminho.
Experimentam o néctar e o gozo causado pela liberdade.
De pássaro se vive, o coração forte.
Ele sabe encontrar o mundo dentro de uma alma pequena.
Nem mesmo o medo e a maldade conseguem prender suas asas.

Felizes mesmo são os pássaros,
Pois só eles não conhecem a mentira, a falsidade, o ódio e a inveja.
E faz da planta pequena a sua casa.
Encontra no canto a salvação dos homens.
Guarda amor de baixo das cordas enferrujadas de um violão.
Canta de pés descalços sobre a terra fria e úmida.

Apenas o pássaros sobrevivem,
Porque se alimentam do silêncio das madrugadas, da onde se escuta notas baixas de uma canção.
Eles se aquecem das folhas das oliveiras nas noites de tempestade.
O céu ainda é pequeno para essas criaturas.
Os pássaros não morrem.
São eternos, porque só eles entendem das delícias e dos prazeres de se estar mais perto de Deus.



Dedico esse poema ao dono de um coração enorme. Meu orgulho e admiração. Meu amigo. Meu irmão Carlo.

Um comentário:

Karen disse...

Que lindoooo...vc sabe que meu sonho é voar néé,
depois de ler isso deu vontade de pular da laje da minha casa,kkkkkk!!!
lindo,lindo mesmo